[Abertura da exposição 'Queermuseu' - parte 2] Fabio Szwarcwald.

Fundo: Fabio Szwarcwald

Título: [Abertura da exposição 'Queermuseu' - parte 2]

Data e Local: 18/08/2018, Rio de Janeiro, Brasil.

Espécie Documental: Fotografia

Condições de Acesso: Não Restrito

Cromia: COR

Formato: Pdf

Apoio / Realização: EAV Parque Lage, AMEAV, Secretária de Cultura do Estado do Rio de Janeiro.

Curador: Curador da exposição: Gaudêncio Fidelis

Descrição de Conteúdo: Para celebrar o sucesso da campanha e a abertura da exposição Queermuseu, o Parque Lage convida o público para um dia de atividades e apresentações. Também integra a programação de abertura da exposição, uma edição da Feira Tijuana de Arte Impressa, a primeira feira de livros de artista organizada no Brasil. 11h . Baque Mulher 11h45 – 12h45 . Abertura Oficial da Exposição 13h . Dj Tatah Toscano 16h . Sarau Cuíer com Letícia Brito (Slam das Minas) 18h . Laura Finocchiaro 19h . Veronica Decide Morrer 19h30 . Jeza da Pedra 20h . Mariwô b2b Galo Preto (Rebola)

Biografia: Queermuseu: cartografias da diferença na arte brasileira” explora a expressão e identidade de gênero, a diversidade e a diferença na arte brasileira por meio de um conjunto de obras que percorrem um arco histórico de meados do século XX até a atualidade. A exposição reúne 264 obras de 85 artistas, dentre eles: Adriana Varejão, Alfredo Volpi, Bia Leite, Cândido Portnari, Cibelle Cavalli Bastos, Leonilson, Lygia Clark, Pedro Américo, Roberto Cidade e Sidney Amaral. Provenientes de coleções públicas e privadas, as obras são igualmente representativas da diversidade estética, geográfica e geracional da produção artística do Brasil. Em sua primeira apresentação realizada no espaço Santander Cultural, em Porto Alegre, a exposição sofreu uma campanha difamatória em redes sociais de grupos como o Movimento Brasil Livre (MBL), na qual seus participantes afirmavam que a exposição fazia apologia à pedofilia, pornografia e à zoofilia, além de desrespeito à figura religiosa, por isso ameaçaram boicotar o Banco Santander, que cancelou a exposição. Todas as acusações foram desmentidas pelo Ministério Público Federal, que se manifestou afirmando não haver crime de qualquer espécie tendo recomendado a imediata reabertura da exposição, que não aconteceu. A exposição seria, então, realizada no Rio de Janeiro, pelo Museu de Arte do Rio (MAR), porém foi censurada por Marcelo Crivella, prefeito da cidade, que declarou em um vídeo que a exposição só aconteceria se fosse “no fundo do mar”. “Queermuseu se propunha a ser um museu provisório, de caráter metafórico, cujo objetivo é propiciar um campo de investigação sobre o caráter patriarcal e heteronormativo do museu como instituição ao fazê-lo constituir uma plataforma de experiência para exercitar o pensamento de outra forma, ou seja, pensar fora da norma”. Segundo o curador da mostra, Gaudêncio Fidelis, “é uma exposição fundada na democracia e na visão de um processo de inclusão”.

Documento: Original

Procedência / Forma de Aquisição: Legado

Setor / Local: Exposição

Número de Registro: BREAVFS-0321

Analógico / Digital: Digital

Suporte: Eletrônico

Gestão: Fabio Szwarcwald

Série: Exposição

Subsérie: Eventos

URI: http://acervo.memorialage.com.br/xmlui/handle/123456789/14607

Fotografia
Modos de visualização:
Navegação:
Ir à página: